terça-feira, 24 de novembro de 2015

MAÇONS ALTERARAM INVESTIGAÇÃO DO TITANIC PARA PROTEGER ELITE, AFIRMA ARQUIVO SECRETO QUE APRESENTA LISTA DE DOIS MILHÕES DE MEMBROS — INCLUSIVE WINSTON CHURCHILL — E REVELA QUE GRUPO SECRETO DE ELITES GOVERNOU A SOCIEDADE INGLESA POR 200 ANOS



Tom Witherow para o The Daily Maile Martin Robinson para o MailOnline
Os maçons dominaram a investigação do afundamento do Titanic e podem ter permitido que personalidades ligadas às elites escapassem de culpa, conforme afirmação na noite passada.
A investigação da tragédia de 1912 que custou 1.500 vidas livrou a maioria dos envolvidos, inclusive os donos da empresa Linha Estrela Branca, do navio, e seu capitão.
Agora a publicação de um arquivo maçônico secreto — contendo dois milhões de nomes de membros de 1733 a 1923 — revela a dimensão do envolvimento maçônico nos graus mais elevados da sociedade britânica.
O arquivo contém os nomes de três reis, estadistas, juízes, oficiais militares de alta patente e bispos.
Especialistas creem que esse arquivo poderá levar a um reexame de quase 200 anos da história britânica, revelando a dimensão da influência maçônica em todos os níveis da sociedade britânica quando a Inglaterra era um dos países mais poderosos do mundo.
Os registros serão publicados online pelo serviço genealógico Ancestry.
Embora as ligações maçônicas de personalidades como Sir Winston Churchill, Oscar Wilde, Lorde Kitchener, Rudyard Kipling e Edward VIII sejam conhecidas, os registros oferecem a primeira visão abrangente do alcance da maçonaria durante o apogeu do Império Britânico.
Os registros revelam as íntimas ligações entre personalidades das elites envolvidas na investigação do afundamento do Titanic, noticiou o jornal Telegraph.
Uma investigação do Senado dos EUA focou especificamente na Câmara Britânica do Comércio, dizendo que o número pequeno de botes salva-vidas no Titanic era consequência de normas relaxadas.
Contudo, a investigação realizada na Inglaterra, dirigida pelo Lorde Mersey, inocentou a Câmara do Comércio.
O próprio Lorde Mersey era maçom, mostram os registros publicados recentemente. Ele foi iniciado em 1881 na Loja dos Advogados do Norte em Londres.
Crucialmente, Sydney Buxton, presidente da Câmara do Comércio, também era dessa loja, tendo sido iniciado em 1888 quando ele era parlamentar.
Os nomes de pelo menos dois dos membros da investigação que deram assessoria especializada — John Harvard Biles, especialista em arquitetura naval, e Edward Chaston, assessor graduado de engenharia — podem também ser encontrados no arquivo maçônico.
Lorde Pirrie, que não só era diretor do estaleiro Harland and Wolff em Belfast, o qual construiu o Titanic, mas também um dos diretores da empresa matriz da Estrela Branca, também parece ter sido maçom.
Nic Compton, que é um especialista em assuntos do Titanic, disse: “A investigação do Titanic na Inglaterra foi tachada de ‘farsa’ porque inocentou a maioria dos envolvidos. Só três passageiros foram entrevistados, e todos eram da primeira classe.”
Leitura recomendada:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visitas dos lugares mais distantes

CAMPANHA MUNDIAL DE ORAÇÃO 2011 EM MACAPA (AP)

Loading...

Minha lista de blogs

Aborto diga não!

Aborto diga não!
1999 - Um fotógrafo que fez a cobertura de uma intervenção cirúrgica para corrigir um problema de espinha bífida realizada no interior do útero materno num feto de apenas 21 semanas de gestação, numa autêntica proeza médica, nunca imaginou que a sua máquina fotográfica registaria talvez o mais eloquente grito a favor da vida conhecido até hoje.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.

Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX).

Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença".

Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias.

Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Fonte:www.apocalink.blogspot.com