quarta-feira, 28 de outubro de 2015

PORTE DE ARMAS: O QUE A BÍBLIA REALMENTE DIZ?



Shane Idleman
O Rev. Gary Hall certa vez telefonou para os legisladores em Washington para pararem de ter medo dos grupos de pressão pró-armas e cumprir seu “dever moral” de restringir as armas: “Todos nesta cidade parecem estar vivendo com pavor dos grupos de pressão pró-armas,” disse Hall. “Mas creio que os grupos de pressão pró-armas não são páreos para os grupos de pressão da cruz.” Os comentários de Hall são desanimadores.
O que estamos vendo hoje não é um problema de armas. É um problema moral chamado pecado. Estamos testemunhando a deterioração rápida dos Estados Unidos. Os EUA perderam sua bússola moral… perderam o temor do Senhor. Quando o temor do Senhor diminui, o mal aumenta. “Um povo que valoriza seus privilégios acima de seus princípios logo perde ambos” (Dwight D. Eisenhower).
Um dos versículos da Bíblia muitas vezes usado para apoiar a proibição de armas se acha em Provérbios 20:22: “Não murmures: Eu te farei pagar pelo mal que me fizeste!” Entrega a tua vindicação ao SENHOR, e Ele te dará a vitória!” (KJA) Esse versículo está lidando com vingança e fazer justiça com as próprias mãos, não defesa pessoal.
De acordo com Romanos 13:4 um dos propósitos das autoridades é “punir quem pratica o mal.” Eles são os vingadores de Deus: “Os homens, em resumo, devem necessariamente ser controlados, ou por meio de uma força dentro deles, ou por meio de uma força fora deles; ou pela Palavra de Deus, ou pelo braço forte do homem; ou pela Bíblia, ou pela baioneta” (Robert Winthrop 1809 – 1894).
Mas não me interprete mal… como cristãos, creio que devemos buscar a paz em todos os momentos e não misturar fanaticamente patriotismo americano com o Cristianismo. Mas e quanto à defesa pessoal como último recurso e autorizações bíblicas de se proteger? O Antigo Testamento oferece uma superabundância de exemplos, mas e quanto ao Novo Testamento? Em Mateus 26:52 (NVI) Jesus diz para Pedro: “Guarde a espada! Pois todos os que empunham a espada, pela espada morrerão.” Jesus não denunciou a espada, mas esclareceu qual é o seu lugar. Quando adotamos ação prematura e emocionalmente carregada, pode nos custar a vida.
Mais tarde Jesus acrescenta: “Vocês vêm com espadas e porretes para me prender como se eu fosse um bandido?” (NVI) Se Ele fosse um ladrão e bandido, os porretes e as espadas teriam sido justificados. Em minha opinião, essas passagens da Bíblia indicam que as armas têm de fato um lugar na sociedade, embora tenhamos de ter cuidado.
Além disso, em Lucas 22:36 Jesus diz: “Mas agora, se vocês têm bolsa, levem-na, e também o saco de viagem; e se não têm espada, vendam a sua capa e comprem uma.” (NVI) O que se deve fazer com essa passagem bíblica? Primeiro, prefiro errar do lado da paz, mas nem sempre essa é uma opção. Uma coisa é certa: uma espada é para defesa. Jesus inicialmente os enviou numa viagem missionária pacífica em que eles não precisavam desses itens, mas agora Jesus pode estar dizendo: “Fui a provisão e proteção de vocês, e ainda sou, mas também quero que vocês estejam preparados… para usar a sabedoria.”
Mas alguns poderão argumentar: “Jesus não disse que devemos amar nossos inimigos e abençoar os que nos amaldiçoam, e fazer bem aos que nos odeiam, e orar pelos que nos tratam com desprezo e nos perseguem?” (cf. Mateus 5:43-48.) Sim. No entanto, essas referências se referem a agressões pessoais, ofensas e assassinatos de caráter. É dar um salto gigantesco acreditar que Jesus está dizendo: “Faça bem aos que estão tentando aleijar ou destruir você e sua família.”
Paulo diz a Timóteo que se “alguém não cuida de seus parentes, e especialmente dos de sua própria família, negou a fé e é pior que um descrente” (1 Tim. 5:8 NVI). Mas os que buscam proteger sua família, que é muitas vezes uma responsabilidade maior (ou até mesmo igual), são muitas vezes rotulados de belicistas e acusados de fazer mau uso da Bíblia.
Precisamos ler a Bíblia em sua totalidade. Por exemplo, quando Jesus levou um tabefe, Ele não virou a outra face. Ele disse: “Se eu disse algo de mal, denuncie o mal. Mas se falei a verdade, por que me bateu?” (João 18:23 NVI). Embora devamos errar do lado da graça e paz, há uma ocasião e lugar para confronto e proteção.
Compreenda de forma clara que não estou defendendo a violência ou a agressão. Estou defendendo coerência e coesão bíblica. O contexto é o fator principal aqui. Perdoar não significa ser passivo, e conceder graça não significa ser ingênuo.
Temos o chamado de proteger nossas famílias de forma espiritual, emocional e financeira, mas não de forma física? Isso não faz sentido. Contudo, minha preocupação com o debate sobre armas é que estamos absorvendo o frenesi do medo. Uma minimização da soberania tem relação direta com o aumento da preocupação. “A maioria dos cristãos saúda a soberania de Deus, mas acreditam na soberania do homem” (R.C. Sproul).
Muitos estão preparados militarmente, mas não espiritualmente; instilando medo doentio em suas famílias. Estamos colocando o temor do homem neles em vez do temor de Deus. Ouço muitos cristãos falando sobre marcas de armas, mas pouco sobre quebrantamento, entrega a Deus e humildade. Nossas armas estão carregadas de balas, mas o quarto da oração está vazio. Esse é o problema real — precisamos gastar menos tempo assistindo programas conservadores seculares de TV (O’Reilly, Hannity, Beck e Coulter), e mais tempos lendo Mateus, Marcos, Lucas e João.
Toda vez que o povo de Deus confiou em suas armas e exércitos, Ele os chamou ao arrependimento. Nossa proteção está em nossa atitude de nos submetermos diariamente a Ele. O Salmo 121:2 (KJA) acrescenta: “De onde me virá o socorro? O socorro virá do meu SENHOR, o Criador dos céus e da terra! Ele não deixará que teus pés vacilem; não pestaneja Aquele que te guarda.”
A tendência atual nos chama a tomar muito cuidado com quem, ou o que, “adoramos,” ou em quem, ou no que, colocamos nossa confiança.
Shane Idleman é o fundador e o pastor principal da Comunidade Cristã Westside em Lancaster, na Califórnia.
Traduzido por Julio Severo do original da revista Charisma (a maior revista pentecostal do mundo): Guns—What Does the Bible Really Say?
Leitura recomendada:

Um comentário:

  1. Convido a participar do novo Agregador Blogospel, onde reunimos blogs evangélicos, com os melhores conteúdos gospel e relevantes para o povo de Deus.
    Aumente o tráfego do seu blog. Não precisa cadastrar, é rápido e prático! Apenas seja parceiro colocando nosso banner na sua página e pronto, já pode enviar seus links.
    Acesse e conheça: http://semeandojesuscristo.blogspot.com.br
    Sua parceria é muito importante.
    Junte-se a nós!
    Graça e paz!

    ResponderExcluir

Seu comentário é importante! Através dele terei oportunidade de aprender mais! Muito obrigado!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Visitas dos lugares mais distantes

Minha lista de blogs

Aborto diga não!

Aborto diga não!
1999 - Um fotógrafo que fez a cobertura de uma intervenção cirúrgica para corrigir um problema de espinha bífida realizada no interior do útero materno num feto de apenas 21 semanas de gestação, numa autêntica proeza médica, nunca imaginou que a sua máquina fotográfica registaria talvez o mais eloquente grito a favor da vida conhecido até hoje.

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

É importante esclarecer que este BLOG, em plena vigência do Estado Democrático de Direito, exercita-se das prerrogativas constantes dos incisos IV e IX, do artigo 5º, da Constituição Federal.

Relembrando os referidos textos constitucionais, verifica-se: “é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato" (inciso IV) e "é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença" (inciso IX).

Além disso, cabe salientar que a proteção legal de nosso trabalho também se constata na análise mais acurada do inciso VI, do mesmo artigo em comento, quando sentencia que "é inviolável a liberdade de consciência e de crença".

Tendo sido explicitada, faz-se necessário, ainda, esclarecer que as menções, aferições, ou até mesmo as aparentes críticas que, porventura, se façam a respeito de doutrinas das mais diversas crenças, situam-se e estão adstritas tão somente ao campo da "argumentação", ou seja, são abordagens que se limitam puramente às questões teológicas e doutrinárias.

Assim sendo, não há que se falar em difamação, crime contra a honra de quem quer que seja, ressaltando-se, inclusive, que tais discussões não estão voltadas para a pessoa, mas para idéias e doutrinas.

Fonte:www.apocalink.blogspot.com